A explosão das criptomoedas tem sido constante notícia ao redor do mundo, seja em portais especializados ou não. Principalmente em 2007, vimos os preços de cada moeda decolarem, impulsionado pela adoção em massa das moedas virtuais e da tecnologia blockchain. Isso causou o surgimento dos chamados “milionários do Bitcoin”, pessoas que adotaram precocemente o Bitcoin e outras altcoins e que conseguiram transformar o que, a princípio parecia ser apenas um modismo em uma grande fortuna.

O caso mais conhecido é o dos gêmeos Winklevoss, que chegaram a ter mais de um bilhão de dólares em BTC no início de dezembro de 2017, antes do início da atual correção do mercado. É claro que eles não são os únicos, e outros milionários e bilionários existem ao redor do mundo, apesar de muitos deles serem discretos em relação à sua riqueza. Suas fortunas podem ser vistas no grande número de endereços de Bitcoin (ricos).

Agora, parece que alguns desses “magnatas das criptomoedas” estão saindo do anonimato e migrando para Porto Rico. Seu objetivo é claro: criar uma utopia de criptomoedas no país, a criptopia.

DEVASTAÇÃO TRANSFORMADA EM OPORTUNIDADE

Em Setembro de 2017, enquanto a comunidade de criptomoedas celebrava constantes altas de preços em todas as moedas, a população de Porto Rico enfrentava um de deus mais terríveis períodos: o furacão Maria havia devastado o país. Ricardo Rosselló, governador de Porto Rico chegou a dizer:

“Este é um grande desastre. Que ninguém tenha dúvida disso.”

Toda a rede elétrica foi destruída, inundações ocorriam em todo o país e enormes filas para a compra de combustível, comida e suprimentos, afetavam toda a população. Centros comerciais estavam inclusive sendo saqueados conforme o caos se espalhava.

CRIPTOMOEDAS AO RESGATE

Apesar de drástica, a situação criou uma grande oportunidade para a reconstrução do país. Foi esse o fator que fez com que muitos milionários de criptomoedas se mudassem para Porto Rico. Além disso, o governo do país iniciou um incentivo fiscal sem precedentes: isenção de impostos federais para pessoas físicas, isenção de impostos sobre ganhos de capital, além de impostos convidativos à pessoas jurídicas. Empreendedores viram nisso uma oportunidade ao mesmo tempo que viam a urgência da situação.

Ao trazer sua riqueza para o país, eles querem construir uma “cripto utopia”, uma nova cidade onde o dinheiro é virtual e todos os contratos são públicos, para mostrar ao resto do mundo como pode ser o futuro construído com criptomoedas e tecnologia blockchain. Eles passam os dias na caça por terrenos e propriedades e dizem que estão próximos de conseguir uma permissão do governo local para a construção do primeiro banco de criptomoedas. Halsey Minor, fundador do portal de notícias CNET, disse ao New York Times:

“O que aconteceu aqui foi a tempestade perfeita. Apesar de ter sido muito ruim para a população de Porto Rico, a longo prazo será uma dádiva se as pessoas analisarem bem.”

OPORTUNIDADE OU OPORTUNISMO?

Com a explosão das criptomoedas em escala global e o crescimento do número de investidores que enriqueceram com essas moedas virtuais, nós também observamos o aumento do interesse dos governos em taxá-las, como visto nos Estados Unidos e na Coréia do Sul.

Por enquanto o governo local parece estar receptivo aos criptoutopistas. O governador vai discursar em março na conferência que eles vão promover sobre blockchain, intitulada Puerto Crypto. Moradores de San Juan ainda estão tentando decidir o que pensar da situação. Alguns estão abertos à entrada de investimentos e ideias, enquanto outros se preocupam que a ilha esteja sendo usada como cobaia para um experimento, e já falam sobre “criptocolonialismo”.

Matt Clemenson, sócio-fundador da Lottery.com, disse:

“Nós somos capitalistas benevolentes, construindo uma economia benevolente.”

Quando indagado sobre seus motivos, Brock Pierce, líder do movimento Puertopia respondeu:

“Compaixão, respeito e transparência financeira.”

Será que Porto Rico se tornará a Dubai do terceiro mundo? Deixe sua opinião nos comentários.