O início de 2018 parece não ser o melhor na percepção das comunidades de criptomoedas. O preço do Bitcoin caiu 70%, despencando de um recorde de mais de U$20,000 em dezembro de 2017. Nós pensamos que estávamos saindo da correção, mas as pessoas que compraram Bitcoins na alta, não imaginavam que as vendas estavam apenas começando.

Muitos afirmam que este será o fim do Bitcoin. Mas o fim já esteve sobre nós muitas vezes. O site 99bitcoins, estima que o Bitcoin tenha sido proclamado morto mais de “duzentos e cinquenta vezes”, desde 2010. (O ano mais “mortal” foi em 2017, onde foi “assassinado mais de cento e noventa e oito vezes”). A CCN também preparou um breve resumo das mais fortes correções das maiores criptomoedas.

Observando o histórico de correções do Bitcoin, aparentemente as maiores ocorreram em 2013. As quedas duraram mais de um ano, tendo o valor do Bitcoin despencado incríveis 87%. Podemos esperar quedas futuras?

Um dos maiores reajustes de 2017 ocorreu no mês de setembro. Naquela data, a China anunciou uma proibição as ICOs, e também impôs duras regulamentações que irão proibir o livre comércio das criptomoedas. Jamie Dimon, diretor do banco JP Morgan, também teve sua opinião considerada sobre a discussão do Bitcoin. O surgimento de tantas más notícias em um espaço tão curto de tempo causou uma queda de preço de 40% ao longo de 14 dias.

MOTIVOS PARA O MAR VERMELHO

A atual situação do mercado se deve principalmente a notícias preocupantes ao redor do mundo, particularmente da China. Além disso, a controvérsia envolvendo a Bitfinex e Tether criou uma incerteza entre investidores americanos.

Uma grande surpresa foi a grande quantidade de FUD (medo, incerteza e dúvida), espalhado no mercado, devido ao posicionamento da Índia relacionado às criptomoedas. O pânico entre indianos causou quedas de até U$4,000 no preço do Bitcoin em algumas corretoras.

Outro aspecto que colaborou na queda foram as informações da Coréia do Sul, um dos maiores mercados de criptomoedas do mundo. As políticas governamentais estão buscando combater o anonimato nas operações de criptomoedas, que gerou reações diversas entre os investidores, em especial os que valorizam sua privacidade.

Todas essas razões tiveram sua parcela de culpa na correção do mercado.  Outro aspecto é a situação de outras corretoras ao redor do mundo. Muitas empresas perderam boa parte de seu valor de mercado.

Não temos escolha, senão aguardar pacientemente por novas notícias. O mercado de criptomoedas precisa de novo capital para emergir dessa crise. Por enquanto… nos resta esperar.