Fevereiro tem sido um mês cruel para investidores de criptomoedas. O site Coinmarketcap registrou quedas generalizadas. Virtualmente, nenhuma criptomoeda foi poupada. Hoje, o Bitcoin está sendo cotado pelo menor preço desde 13 de novembro de 2017, com queda de –U$6,079.  Desde que atingiu um novo recorde de U$20,000, menos de dois meses atrás, as criptomoedas perderam quase 70% do seu valor.

Contudo, essas quedas não são uma novidade para as criptomoedas. Também chamado de “o ouro virtual”, o Bitcoin não somente passa por grandes altas, mas também por quedas espetaculares. Uma das grandes quedas de preço ocorreu em abril de 2013, quando o Bitcoin perdeu mais de 80% de seu valor em apenas três dias. No época, o valor da maior das criptomoedas caiu de U$259 para apenas U$45.

AS ALTCOINS CAEM JUNTO

As Altcoins também acompanharam a queda dos Bitcoins. Dessa vez não foi diferente. Assim como o Bitcoin perdeu quase 20% do seu valor nas últimas 24 horas, as criptomoedas remanescentes  sofreram quedas ainda maiores. Entre as dez maiores altcoins, quedas variavam entre os 20% e os 30%. O impacto do reajuste fica bem ilustrado se considerarmos a capitalização atual do mercado, que agora caiu para menos de U$300 bilhões, segundo o Coinmarketcap.

A CHINA AFLITA

A China pode ser parcialmente culpada pela queda. Autoridades chinesas proibiram a comercialização de criptomoedas estrangeiras no país, assim como bloquearam propagandas e publicações em redes sociais.  Desde o ano passado, o governo chinês também introduziu uma proibição nas corretoras domésticas de criptomoedas e ICOs, mas isso acabou sendo ineficaz.